img_797x448$2020_06_10_16_20_01_630616

Portugal continua a ser o terceiro país mais pacífico do mundo

Só a Islândia e a Nova Zelândia surgem melhor que Portugal no Global Peace Index, que mantém a pontuação e posição do ano passado.

Portugal é o terceiro país com melhor pontuação no Global Peace Index, ranking que mede quais são os países mais pacíficos do mundo e que é elaborado pelo Institute for Economics & Peace (IEP).

“Em 2014, Portugal ocupava o 18.º lugar, tendo subido ao terceiro em 2019″, refere uma nota do ministério da Administração Interna, citando o relatório hoje publicado.

Portugal surge com a mesma posição e pontuação do ano passado (1.247 pontos), contrariando a tendência geral de diminuição. Não se registaram alterações nas sete primeiras posições do ranking, pelo que à frente de Portugal continua a Islândia e a Nova Zelândia.

O IEP assinala que “este ano o nível global de paz deteriorou-se, com a pontuação média dos países a recuar 0,34%”, o que representa o nono ano de descidas nos últimos 12. O relatório que analisa 163 estados e territórios independentes e cobre 99,7% da população do mundo mostra que 81 países melhorara a pontuação e 80 pioraram.

O Global Peace Index de 2020 “revela um mundo em que o número de crises e conflitos da última década começa a baixar, mas que são agora substituídos por uma nova onde de tensões e incertezas em resultado da pandemia da covid-19″, acrescenta o relatório.

O Afeganistão, pelo segundo ano consecutivo, é o país menos pacífico do mundo, seguido de perto pela Síria, Iraque, Sudão do Sul e Iemén.

O ministério liderado por Eduardo Cabrita assinala que “os passos significativos que Portugal tem dado nos últimos anos em matéria de segurança têm permitido a redução da criminalidade e, consequentemente, a subida gradual e consolidada neste ranking”.

O IEP calcula que o custo económico da violência em Portugal representa 5% do PIB, um dos mais baixos entre os países analisados. O país surge também bem posicionado nos apoios sociais e no domínio militar.

 

 

Fonte: www.sabado.pt

 

Sem comentários

Deixe uma resposta

*

*