html_tek_canal4

Ler, escrever, fazer contas e tratar as TIC por tu: as novas competências básicas em Portugal

A proposta foi feita pelo Primeiro-ministro na apresentação do novo programa INCoDe.2030, que junta vários ministérios, instituições de ensino e empresas no objetivo comum de melhorar as competências digitais dos portugueses: jovens e menos jovens, empregados e desempregados.

“O primeiro desafio que se coloca nas competências digitais está relacionado com a cidadania: é garantir que todos os cidadãos que não são especialistas em ciência, em tecnologia, em matemática têm a capacidade de continuar a ser cidadãos no futuro”, referiu António Costa.

Para tal, o modelo de desenvolvimento do país tem de assentar em dois fatores fundamentais, defendeu, qualificação e inovação, onde as competências digitais são absolutamente essenciais.

“Temos a oportunidade de reaproveitar e criar novas oportunidades de trabalho a quem está fora do mercado de trabalho”.

Tendo 2030 no horizonte – como o próprio nome deixa adivinhar -, o novo programa aponta como desafios “garantir a literacia e a inclusão digitais para o exercício da cidadania”, estimular “a especialização em tecnologias e aplicações digitais para a qualificação do emprego” e “produzir novos conhecimentos em cooperação internacional” e define mais de 30 medidas em resposta.

Num “esforço” conjunto, as áreas governativas da Modernização Administrativa, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Educação, Trabalho, do Planeamento e das Infraestruturas e da Economia querem que, nessa data, todas as casas portuguesas tenham acesso à internet e que cerca de 90% da população use frequentemente a grande rede.

Do grupo de intenções fazem ainda parte conseguir que 80% dos portugueses tenham competências digitais básicas ou mais do que básicas e que existam 250 mil diplomados do Ensino Superior entre os 20 e os 29 anos nesta área.

(em atualização)

 

Fonte: http://tek.sapo.pt/

Sem comentários

Deixe uma resposta

*

*